Entrevista
Design da iluminação: “A luz certa no momento certo”

Mathias Wambsganß é professor de Design de iluminação e Tecnologia predial na Rosenheim University of Applied Sciences, ele faz parte do conselho da German Lighting Technology Association (LITG) e é parceiro fundador da 3lpi, um studio de design de iluminação em Munique. Nos últimos 15 anos, ele esteve envolvido no monitoramento de energia sob a supervisão do Ministério Federal de Economia, onde ele esculpe prédios em "fatias de energia". Nesta entrevista, Wambsganß fala sobre o uso de sistemas de iluminação selecionados descuidadamente, sobre os potenciais de economia perdidos e a total necessidade de colocar os seres humanos no centro de qualquer design.

Atualmente, espera-se que a iluminação seja a mais eficiente possível. Ao mesmo tempo, os usuários querem conveniência. Essas exigências podem coexistir?

Sim, eles podem porque há meios de iluminação altamente eficientes disponíveis atualmente. Não há mais a necessidade de otimizar um sistema de iluminação, baseado somente em seu consumo de energia. Além disso, o consumo de energia e seus custos associados, devem sempre ser considerados em relação a outros custos. Os custos com pessoal, por exemplo, são um item individual muito maior no orçamento corporativo. Iluminar um escritório custa por ano, no pior dos cenários de baixa disponibilidade de luz natural e longas horas operacionais, entre 8 e 10 euros por metro quadrado. Como uma comparação, os empregadores pagam 5.000 euros e mais por colaborador no mesmo período, medido de acordo com o mesmo espaço. Considerando desta forma, devemos realmente parar de medir as soluções de iluminação com base principalmente em suas características de energia e começar a dar uma ênfase maior na qualidade da iluminação. Pois, no fim, a iluminação exerce uma influência enorme no bem-estar dos colaboradores e em seu desempenho.

building_licht_interview_professor-matthias-wambganss_1_2000x2000.jpg

» Considerando desta forma, devemos realmente parar de medir as soluções de iluminação com base principalmente em suas características de energia e começar a dar uma ênfase maior na qualidade da iluminação. «

Mathias Wambsganß

Professor de Design de iluminação e Tecnologia predial

Se a qualidade da iluminação não é usada como a base para projetar um sistema de iluminação convencional para um prédio comercial, o que é?

Há padrões para a iluminação de um local de trabalho, que demandam que determinados limites sejam atendidos, por exemplo, 500 lux em um escritório. Muitos consideram o cumprimento desses níveis de iluminação como o equivalente à qualidade de iluminação. No entanto, a iluminância da iluminação não pode na verdade ser vista. Ela descreve a quantidade de luz que atinge uma superfície. O efeito no olho humano, porém, depende do material da superfície.


Além disso, esse padrão usa como parâmetro um funcionário com 20 anos de idade. Uma pessoa com 50 anos, por outro lado, requer 50% a mais de luz para realizar tarefas visuais com o mesmo nível de qualidade. Portanto, eu começo por perguntar se “500 lux” é a meta de design correta no todo. Ao considerar a produtividade e as influências da luz na saúde, tornou-se bem claro que precisamos de mais luz para tarefas em determinados horários. Em um fórum de especialistas na LiTG, estamos discutindo se esse padrão é sustentável, em seu formato atual, ao longo prazo. Neste caso, definir uma faixa entre 500–1.000 lux seria provavelmente uma solução melhor.

Mas a Determinação legal sobre Economia de energia também inclui especificações. O seu desejo por “mais luz” conflitará, potencialmente, com as metas de eficiência?

Até uma determinada, mas pequena extensão, sim. No entanto, você precisa analisar a relação total e considerar as coisas partindo de uma visão diferente. Por exemplo, as saídas instaladas versus o que é realmente usado, já que o balanço energético em última análise considera o que foi realmente consumido.


Para chegar a um bom resultado um processo de duas etapas faz mais sentido em minha opinião: primeiro devemos perguntar que condições de iluminação são mais úteis na situação de trabalho atual. A significância da pessoa que trabalhará nesse espaço tem um papel importante. Em seguida, tomamos as medidas necessárias para configurar a solução de iluminação de forma mais eficiente. Além das seleção de produtos eficientes, questões devem ser levantadas sobre como controlar ou regular a luz. Apesar de ter sido documentado que a instalação de um pouco mais de saídas de luz faz sentido financeiramente, as possíveis economias de um sistema de gestão de iluminação são ainda maiores.

A base para a seleção de um sistema de iluminação específico está sendo menos impulsionada pelos custos. Ao invés disso, as diretrizes emitidas pelos legisladores receberam mais peso e declararam que as questões envolvem a saúde e a produtividade do funcionário.

A frase-chave aqui é “a luz certa no momento certo.” Isto se relaciona à quantidade de luz onde faz sentido e ao espectro usado. Isto significa que o tipo e meio para controlar a luz deve ser ainda mais desenvolvido, de forma que a seleção do tipo "certo" de iluminação torne-se tão importante quanto a eficiência.

building_licht_interview_professor-matthias-wambganss_2_2000x2000.jpg

» Isto significa que o tipo e meio para controlar a luz deve ser ainda mais desenvolvido, de forma que a seleção do tipo "certo" de iluminação torne-se tão importante quanto a eficiência. «

Mathias Wambsganß

Professor de Design de iluminação e Tecnologia predial

Como isso deve ser na sua opinião?

Se você considerar o nível de sensibilidade com a qual nossos olhos reagem, então é realmente bastante difícil controlar ou regular a iluminação. Na minha opinião, isso ainda precisa ser suficientemente descrito. Portanto, nós precisamos de mais informações sobre como harmonizar, da melhor forma, as especificações à ergonomia do olho humano. Um exemplo: se um escritório está equipado com um controle de iluminação dependente da luz diurna, a claridade não deve começar diretamente a 100% e depois cair para o ponto de definição. O usuário tem a sensação de que está escuro demais, porque o olho humano ajusta rapidamente a níveis mais altos de luz, mas demora mais a se adaptar à luz reduzida. A mensagem ao usuário é inevitavelmente de que ele ou ela precisa de mais luz, mas não a está recebendo. Ao contrário, a quantidade de luz não deve ser ativada lentamente, aumentando gradualmente na direção da iluminação nominal – o usuário presumirá que há problemas com o interruptor de luz. Para definir tais pontos corretamente no controlador, o programador precisa saber quais são os valores adequados para cada função, e quais características do sistema são esperadas pelo usuário após a inicialização.

Então o procedimento atual para a aceitação de sistemas de iluminação ainda não é suficientemente maduro, porque os engenheiros elétricos não sabem o suficiente sobre as especificidades da ergonomia visual?

Até uma determinada extensão, sim. Muitos especialistas ainda não estão cientes disso. Em geral, eles não conhecem as funções do olho e, assim, não podem considerar adequadamente os fatores relevantes durante a operação ou aceitação. Partindo disso, devemos concluir que é realmente lógico trabalhar na direção de um método melhor para a operação e aceitação de sistemas de iluminação. Isto não precisa ser um padrão estabelecido pelas leis. Isso poderia, por exemplo, ser também baseado em informações dos fabricantes de controladores de iluminação, em relação a como um sistema com seus componentes funciona mais ergonomicamente em aplicações específicas. O conhecimento que já temos apenas ajuda o operador se alguém tiver aplicado essas informações para melhorar as coisas. Ou seja, precisamos de diretrizes para adotar as melhores práticas.

building_licht_interview_professor-matthias-wambganss_4_2000x2000.jpg

» Partindo disso, devemos concluir que é realmente lógico trabalhar na direção de um método melhor para a operação e aceitação de sistemas de iluminação. «

Mathias Wambsganß

Professor de Design de iluminação e Tecnologia predial

Você então supõe que a sua reivindicação declarada de promover a qualidade da luz por meio do controle da iluminação moldará o design e a tecnologia de sensores?

Isso pode se tornar necessário já que os sensores disponíveis atualmente, em geral, apenas medem a claridade, além da presença. Se você olhar o tópico "Iluminação e saúde", são necessários sensores para avaliar a luz recebida pela função não-visual do olho, ou para medir a composição espectral da luz. O Prof. Herbert Plischke, presidente da “Iluminação e Saúde” da Universidade de Munique, está atualmente experimentando sensores que irão contribuir para isso. No entanto, eu suponho que demandará algumas aplicações de grande escala para tornar esses sensores acessíveis.

Você acredita que um sistema que funciona bem difere do ponto de vista de investimento, de um sistema que não funciona tão bem? O uso da tecnologia é frequentemente bastante similar...

Certamente não há diferença no lado do hardware. Eu já vi soluções de iluminação com hardware caro que não funcionavam ou tinham apenas uma funcionalidade limitada. O hardware pode obviamente ser uma fonte de erros, por exemplo, se um sensor tiver sido selecionado com recursos inadequados para o local da instalação. No entanto, se eu supor que os designers buscaram os componentes corretos, então a questão é se uma despesa maior incorre durante a colocação em funcionamento executada adequadamente, ou seja, se ela foi adequadamente dimensionada e parametrizada. Caso no qual, eu acredito que sim. No entanto, eu acredito que essa despesa deve ser paga. Se os desafios do projeto forem adequadamente documentados, eles não devem ser classificados como custos "extra" pelos proprietários prediais.

Você pode contar com economias durante a operação se a colocação em funcionamento tiver sido executada cuidadosamente?

Não necessariamente. No entanto, você evitará irritações por parte de seus usuários – e isso é quase inestimável. Se um sistema colocado descuidadamente em operação levar a controles praticamente inoperáveis, haverá então, naturalmente, maiores custos operacionais. As economias potenciais serão perdidas.

building_licht_interview_professor-matthias-wambganss_3_2000x2000.jpg

» Você evitará irritações por parte de seus usuários – e isso é quase inestimável. «

Mathias Wambsganß

Professor de Design de iluminação e Tecnologia predial

As exigências do Decreto de Economia de energia também se aplicam a prédios existentes. Na sua opinião, há potenciais de economia de iluminação grandes o suficiente para cobrir o orçamento durante as reformas?

Naturalmente, isso depende da idade do sistema e do quão radicais são as reformas. No entanto, mesmo a simples pergunta: "quantas luzes por watt usadas atingem realmente o espaço", leva rapidamente a um resultado positivo. Se você comparar as modernas luzes baseadas em LED aos tubos fluorescentes convencionais de 15 anos atrás, eles são separados por um fator perto de dois. A mera mudança de luzes pode ser vista como "pegar a fruta pendurada mais embaixo". A automação do sistema é uma outra opção que oferece potenciais de economia adicionais.

Que desafios você vê com mais frequência em projetos de reforma?

Em uma reforma de núcleo, ou seja, quando um novo cabeamento é passado, ela funciona como uma nova construção para os projetistas. Uma reforma parcial é bem diferente. Se os pontos de iluminação no teto forem mantidos – ou seja, houver apenas uma linha de alimentação de energia disponível – então há restrições maiores para as soluções que se estendem significativamente além do que apenas interruptores analógicos para ligar e desligar. No futuro, isso seria um ponto para recomendar soluções sem fio.

Imagine que você fosse o operador e pudesse decidir que sistema seria instalado. Você vê uma vantagem se o seu próprio pessoal estivesse em posição de substituir componentes defeituosos ou adaptar o sistema quando os espaços fossem reestruturados?

Muitos sistemas não são essencialmente proprietários por eles portarem as características do programador? Mesmo ao selecionar um sistema de código aberto, um determinado nível de dependência é gerado durante a colocação em funcionamento. Com isso em mente, o que você está descrevendo parece quase como um sonho. Isso teria que ocorrer assim: no caso de eu converter o espaço, eu poderia atribuir as luzes e interruptores com o meu próprio pessoal e não precisaria de um programador altamente treinado e caro. Como operador, eu certamente não ficaria feliz com um casamento forçado com o meu programador do sistema.

A WAGO no trabalho

Aplicações paraclientes: Instalação de iluminação e automação predial

Ficou com alguma dúvida

Opções que podem te ajudar: